little joys}
"I never thought I'd be in bloom
but this is where I start"
em Recife Antigo

"Espero que toda essa ilegalidade, covardia e ditadura entre na cabeça de todos os recifenses que esse é o poder que nos representa! Que tudo isso venha como um alerta para despertar a participação política de todos nós!"

Juliana Monteiro

Essa é pra quem diz: “mas você votou nele”
MESMO QUE TIVESSE VOTADO!! É SEU DEVER FAZER COBRANÇAS À GESTÃO QUE VOCÊ COLOCOU NO PODER!!
O país está do jeito que está pq ninguém sabe o significado da palavra CIDADANIA! A sociedade brasileira acha que votar no “menos ruim” vai fazer o país ficar “menos ruim”. Depois de exercer, o que consideram, seu único dever como cidadão (votar), voltam-se para as vidinhas individualistas e alienadas de sempre. 

Muita gente me diz: “não vai mudar, no Brasil é assim mesmo”
Fica difícil tentar mudar alguma coisa nessa bosta de país quando tem um monte de gente INSATISFEITA com a nossa atual realidade mas que está ACOMODADA demais com suas vidinhas individualistas e alienadas de sempre. 

Querem que mude, mas estão ocupados demais olhando pro próprio umbigo.
Querem que mude, mas não movem um palito pra que a situação seja diferente.
Querem que mude, mas marginalizam quem tenta mudar.

Ocupados demais vidrados em seus smartphones dentro de seus carros, presos no infernal engarrafamento da cidade. Ocupados demais pra olhar pra rua, pra olhar pra cidade.
OCUPADOS DEMAIS PRA AMAR O RECIFE!

Praticar a cidadania vai muito além de votar: praticar cidadania é COBRAR SEUS DIREITOS, cobrar dos gestores PROVIDÊNCIAS, cobrar RESPOSTAS, e acima de tudo: COBRAR JUSTIÇA E DEMOCRACIA.

Últimos minutos do dia que entrou para a história de Pernambuco como a ruína do estado democrático de direito e o fim da credibilidade das instituições estatais.
O estado de exceção é o estado de Pernambuco.
Desde a manhã está evidente para todos que o objetivo da ação policial nunca foi a desocupação do imóvel, tanto assim que não apenas não houve tentativa de desocupação amigável, como minha presença na qualidade de advogada para promover a desocupação voluntária foi impedida.
O objetivo sempre foi a repressão violenta do Movimento Ocupe Estelita.
Eu gostaria de não ter vivido o dia de hoje.
Eu gostaria de não ter visto o que vi.
Eu gostaria de não ter ouvido os gritos que ouvi e os barulhos de bombas e balas sendo disparadas.
Eu gostaria de não ter perdido minha crença nas instituições jurídicas.
Eu gostaria de não ter chorado, completamente impotente, na frente dos ativistas que eu desejava proteger e de costas para a polícia de choque que nos acuava.
Eu gostaria de não ter visto Milton Petruczok sendo arrastado pelo pescoço, Cristina Lino Gouvêa sendo levada nua e imóvel com pontapés nas costas.
Eu gostaria de não ter visto o sangue nas dezenas de feridos.
Eu gostaria de eu mesma não ter sido agredida com um cacetete por um policial do GATI enquanto desempenhava meu papel de advogada.
Eu gostaria de viver numa democracia.
Mas hoje eu não tive nada do que eu gostaria de ter.
E também hoje Ocupar Estelita ganhou um significado radicalmente maior.
É mais do que uma luta pelo direito à cidade e contra uma prefeitura corrupta e um consórcio de empresas sem limites morais como a Moura Dubeux e a Queiroz Galvão.
É agora também uma luta contra um governo do estado mentiroso e traidor, contra um judiciário que colocou em xeque sua imparcialidade. É uma luta contra um estado que faz as vezes de milícia do poder econômico.
Estou indo dormir muito mais pobre do que acordei.
Perdi sonhos e estou embrutecida pela brutalidade que testemunhei.
Vou dormir com as dores físicas que senti na pele e com as dores morais que senti na alma.
Mas vou dormir certa de que acordarei curada, porque nossa luta é um caminho sem volta.
E nesse caminho os sonhos serão refeitos. E serão cada vez mais belos.
by Liana Cirne Lins

I’m having anxiety issues

Na verdade, vai muito além dos saques. O próprio arrastão, configuração maior de assalto, tem motivo meramente econômico. Em regra, ninguém rouba porque é “mal caráter”, mas por vários fatores subjetivos que foram estimulados, criados, moldados, por uma sociedade puramente consumista e economicamente hierarquizada, e por uma política estatal absurdamente repressora, que prioriza violência contra a população periférica, ao invés de contempla-los com serviços públicos de qualidade. Nesse sentido, não adianta focar na proteção policial e em leis penais mais severas, porque de fato, são apenas um disfarce sacal e paliativo a fim de mascarar o escracho social de tanta pobreza e desigualdade. Isso resulta em um País de prisioneiros, tanto em seus lares privados quanto em penitenciárias.
by Vitor Bandeira
Bom dia 🌊🌞
Arya sendo Arya, e Lord sempre um Lord 💙✨